quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

No one knows what its like, to be the bad man, To be the sad man, behind blue eyes....

Bom, bom, este vai ser provavelmente meu post mais polêmico, mas tudo bem, já não temo mais as tochas, os tridentes e os gritos de "queime o bruxo!", nunca gostei de calor, mas me acostumei a ser queimado em praça pública por minhas opiniões...

Vamos começar este post com uma pergunta que não vai ser respondida definitivamente tão cedo...
O que é vida? Até onde é vida? Onde podemos definir o limite que marca o fim dessa vida ou o início da mesma? Seria quando a pessoa efetivamente morre? Ou seria antes, será que a vida pode acabar com a pessoa ainda respirando?
Na minha humilde opinião sim, a vida pode acabar antes de se "morrer" efetivamente; na minha opinião uma pessoa que abandona a capacidade de raciocinar e questionar por si própria, que não consegue viver plenamente o que a vida oferece está morta, intelectualmente falando, e a morte do intelecto é a morte do ser humano, sem nossas cabeças, nossa capacidade de raciocinar seríamos ainda animais (isso se não fôssemos extintos, afinal, verdade seja dita, se nós não tivéssemos intelecto, não chegariamos a ser Homo Sapiens Sapiens), e portanto, a morte do intelecto mata o ser humano que somos; se perdemos um braço, uma perna, uma orelha, ainda podemos viver quase normalmente, porém, se perdemos o intelecto passamos a "viver", com aspas mesmo, por que não somos nós que fazemos nossas escolhas, não somos nós que comemoramos nossos acertos, não somos nós que realmente vivemos...

Mas e quando não viver plenamente o que a vida oferece não é uma escolha que a pessoa fez? E quando algum acidente ou enfermidade lhe tira essa capacidade? E quando algo que não podemos remediar começa a destruir as faculdades que a pessoa um dia teve plenas?
Por exemplo, um acidente com seqüelas no cérebro, ou o Mal de Alzheimer, que vai minando as capacidades mentais do indivíduo, até torná-lo completamente dependendente de outros? Será que essa pessoa está realmente vivendo? Será que vale a pena toda a dedicação, todo o sofrimento para mantê-la ali, com conforto, apenas para ver uma pessoa que nós gostamos, que nós vimos quando era completamente capaz, incapaz de comer sozinha, de limpar o traseiro sozinha, de andar na rua sozinha? Será que não seria mais simples, mais misericordioso, mais piedoso deixá-la ir, fazê-la livre de uma existência onde ela se torna cada vez mais um patético e deplorável vegetal? As pessoas que se importam em manter viva essa pessoa debilitada são as que mais sofrem com isso, pois vêem alguém que elas amam, que elas já viram em plenas condições, cada vez mais frágeis, mais dependentes.
E para quê? Por uma esperança que um dia a pessoa possa voltar a ser o que ela era? Por uma esperança de que talvez um dia a ciência descubra como solucionar o mal que aflige aquela pessoa? Certa vez eu li que ter esperança "é negar a realidade; é a cenoura pendurada na frente do cavalo para mantê-lo caminhando, na tentativa vã de alcançá-la"...
Pois será que vale a pena? Será que vale a pena sentir cada vez mais dó da pessoa que vai ficando debilitada a sua frente, sem que você possa fazer nada? Será que vale a pena todo o sofrimento passado, ao ver uma pessoa que você ama degenrando e se sabendo impotente frente a isso? Será que vale a pena ter esperança de que isso se resolva? De que um dia a cura vai surgir e a pessoa vai voltar a ser o que era?
E se a cura não surgir? E se a pessoa morrer antes? Não meus amigos, creio que não valha a pena, creio que o mais justo, o mais caridoso, seria deixar aquela pessoa, que tanto viveu, e que agora não consegue mais viver, ser enfim livre, e deixá-la enfim descansar...

Música do dia: The Who - Behind Blue Eyes:

10 comentários:

enD disse...

Entendi seu post, e não te queimarei vivo. Uma coisa q adoro na nossa amizade, é a nossa opinião. Quase sempre é a mesma. E nesse assunto, é idêntica.
Vejo essa coisa de 'prnder' a pessoa pelo meu avô. Ele fez várias cirurgias antes de morrer, e arrumou o q estava bom, pra ficar melhor ainda, e o q o destino fez?
Levou meu avô, pq o coração ficou tão perfeito, bombeou tanto sangue, q os outros órgãos não suportaram, engraçado né?
A família torceu, gastou, tava quase fazendo macumba, e meu avô mandou a vontade dele como se fosse um podeeer mágico...de q forma? "se morrendo" hauhauh

Ah, não sei se irão entender meu comentário, mas é o único modo de expressar minha opinião no momento.

Beijo Gui!

Colorblind disse...

Concordo também o/
sempre pensei assim d:
em outras palavras, sou a favor de desligar as máquinas o/
=B

Douglas John Paul Gallagher disse...

Ahhh, concordo com sua opinião

Anderson" disse...

Bem vendo o post inteiro, vamos ver, primeiro discordo no sentido que vc deu para esperança, não acredito que seja realmente assim, ela tbm pode mover idéias para um bem maior levando até mesmo ao sucesso, claro isso se vc colabora por que sentar e olhar para o teto se apegando apenas nela não adianta de nada, mais claro isso não se aplica em relação a este post; quanto ao sentido que vc deu para a vida, é mais um conceito próprio assim cada um tem o seu, claro não estamos falando sobre isso agora então...

No resto até não acredito que vc esteja errado... mais realmente não sei o que dizer... não sei o que eu mesmo sentiria em tal situação, posso calcular e premeditar muitas coisas mais essa é uma na qual não obtive sucesso em outras tentativas, do lado lógico e completamente racional, sem falar um tanto quando frio, vc até esta mesmo certo, mais ainda assim não sei como agiria, antes e depois que essa pessoa se fosse...

Jovana disse...

Nós já falamos sobre isso.....e vc sabe tenho a mesma opinião...mas o problemas é o q a sociedade hipócrita acha, do lado cristão temos a seguinte tese:" O homem tem q viver sua existência até q Deus o chame, seguindo sempre a vontade de Deus", ou se não " a alma dessa pessoa não irá descançar se o matarmos antes do tempo..." Blá, blá, blá...Só a pessoa debilitada q pode decidir o q é melhor pra ela caramba!! Pense só, um trabalhador forte e intelectualizado q perde os seus direitos e aptidões...dependo dos outros sem o direito de ser feliz?? isso pra mim já é a morteeee...temos q aprender a ceitar o fim das coisas...td tem limitee, as vezes isso se torna crueldade...nhaaaaa, se isso acontecer comigo vou deixar um testamento dizendo: Desliguem as máquinas!!!kkkkkkkk...

Adorei o post!

BjOo*...

João Carreño ou Kitsune disse...

Não atiro pedra nenhuma... me pegunto isto td dia quase... oq eh esperança...

Não sou a melhor pessoa para falar sobre isto... vivo de meus sonhos e componho com a "esperenaça" de que minhas músicas modifiquem algo nesta realidade...

Estava pensando sobre verdades outro dia tb... e sobre a vida, acredito q vida seja sim, pensar, raciocinar, mas mais doque isto, transformar ou criar. enquanto a pessoa pode transformar, criar, mesmo q idéias, elá é viva! Lembre-se um que dos maiores nomes da astronomia e física não meche a maior parte de seu corpo.
Agora... a decisão qntu vida ou morte é realmente pessoal, eu não gostaria de deixar de existir (no plano terreno) por que meu corpo está incapacitado. Mas isso eh realemente mt pessoal ^^

Sem mais pelo momento kkkk...


Adorei o post... Cya guy!

Leonel "Greed" disse...

mas joão, no caso do hawking é exatamente o contrário, o que é debilitado não é a mente dele, é o corpo, a mente de hawking funciona perfeitamente, como eu disse no post: "a morte do intelecto mata o ser humano que somos; se perdemos um braço, uma perna, uma orelha, ainda podemos viver quase normalmente" ele ainda pode pensar, ele pode não ser mais auto-suficiente, mas ainda é capaz de raciocinar e comunicar suas opiniões e decisões, essa é a diferença...
Mas ele deve entender muito bem que não há muita esperança para ele, que mais hora menos hora ele vai padecer ao mal do qual ele sofre... (aliás, é admirável que ainda não o fez)

Leonel "Greed" disse...

Anderson, o que você define como "esperança" é na verdade ambição, a esperança só é aplicada em ocasiões em que nós não podemos alterar o resultado, ou por que depende de fatores aleatórios ou por que depende de outras pessoas, ou seja, ter ou não ter esperança é inócuo ;D

Geisson Fernando disse...

Seguindo o que a Jovana estava dizendo no comentário dela, acho que a propria sociedade cristã quebra essa regra. Pq vejamos, de acordo com a crença deles, a doença foi trazida por Deus, e os humanos simplesmente atrasam a sua morte através da ciência. Ironico né? Como disse o Leonel uma vez pra mim, a vida é uma ironia, aprecie a ironia.
Meu conceito sobre a vida é bem diferente do que o Leonel colocou (alias ele definiu isso como morte intelectual), creio que a morte verdadeira do ser humano acaba quando seu ciclo se acaba. e o ciclo é o seguinte. Aprender, gerar descendentes e ensinar todo o conhecimento adquirido. A verdadeira vida é quase imortal, enquanto nossos genes, nossas palavras e criações existirem, vivemos.

sara disse...

Nossa gui... o.O
Esta eh uma opiniao que causa bastante polemica mesmo, sobre deixar um pessoa ir assim... eu acho que as vezes nao eh facil se "desfazer" um ente querido nosso... nunca passei por uma situação assim, mas jah vi mtos casos... nao sei o que eu faria nao... eh uma coisa um tanto delicadaa nee?? nem imaginoo como seria...

Mas uma coisa eu concordoo com vc... a pessoa "morre" no momento em que nao aproveita as coisas que a vida oferece como vc disse!! =D no momento em que a pessoa DESISTE eu diria! =]